IBGE: Taxa de desemprego no Amazonas é de 13% no 1º trimestre do ano

Cai número de pessoas procurando por emprego, no Estado

A taxa de desocupação, entre janeiro e março de 2022, foi 0,1 ponto percentual inferior à registrada no trimestre anterior (13,1%), no Estado, e representa estabilidade. Já na comparação entre o 1º trimestre de 2022 e o mesmo trimestre de 2021, houve queda de 4,6 pontos percentuais. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgados hoje (13), pelo IBGE.

A taxa média de desocupação registrada no Brasil foi de 11,1%, no 1º trimestre do ano, com estabilidade em relação ao trimestre anterior. Assim, a taxa do Amazonas (13,0%) segue maior do que a nacional, mas é a menor taxa observada no Estado desde o 1º trimestre de 2016 (12,9%). Em relação aos Estados e Distrito Federal, a taxa do Amazonas foi a 10ª maior. A mais alta foi a do Bahia (17,6%), seguida pela de Pernambuco (17,0%) e Rio de janeiro (14,9). A menor continua sendo a de Santa Catarina (4,5%).

Destaques

·         Em relação ao primeiro trimestre de 2021, a população ocupada aumentou em 173 mil pessoas (11,2% de alta), no AM. Também foram estimados 73 mil desocupados a menos (-22,2% de queda), no Estado

·         O número de pessoas fora da força de trabalho (nem ocupadas e nem buscando ocupação) foi de 1.1 milhão, no 1º trimestre do ano; 25 mil a menos (-2,2%), em relação ao trimestre anterior

·         O nível de ocupação no Amazonas alcançou 55,3%, no período entre janeiro e março, no Amazonas, com avanço de 4,9 p.p., na comparação com o mesmo período do ano anterior (50,5%)

·         No AM, a taxa de informalidade no 1º trimestre foi de 58,1% da população ocupada; a terceira maior entre Estados e Distrito Federal. As maiores taxas ficaram com o Pará (62,9%), Maranhão (59,7%) e Amazonas (58,1%)

·         A força de trabalho potencial apresentou queda de 36,0% (-104 mil pessoas), na comparação com o mesmo trimestre de 2021

·         O número de trabalhadores domésticos manteve-se estatisticamente estável em relação ao último trimestre (5 mil pessoas a mais), mas cresceu 33,5% em relação ao 1º trimestre de 2021, com 22 mil pessoas a mais nesta função

·         Havia 611 mil pessoas trabalhando por conta própria (35,7% do total de pessoas ocupadas), no Amazonas, no 1º trimestre; 71 mil a mais, na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior

·         Dentre 50 mil ocupados como empregadores, 28 mil trabalhavam com CNPJ, e 22 mil sem CNPJ, 10 mil pessoas a mais, em relação ao trimestre anterior (alta de 76,5% no trimestre)

·         Na comparação com o 1º trimestre de 2021, as atividades com altas nas ocupações foram a indústria geral (26,1%), alojamento e alimentação (30,9%), serviços domésticos (36,5%) e outros serviços (40,7%)

·         No 1º trimestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2021, houve queda em todos os indicadores de subutilização, no Estado

·         O rendimento médio de todos os trabalhos das pessoas ocupadas manteve-se estável, com variação de 4,4%, em relação ao trimestre anterior (R$81 a mais, em valor monetário), passando de R$ 1.839,00, no 4º trimestre de 2021, para R$ 1.920.

Cai número de pessoas procurando por emprego, no Estado

A pesquisa estimou que a população desocupada, no Amazonas, no 1º trimestre de 2022, era de 256 mil pessoas, 5 mil a mais (1,9%), em relação ao trimestre anterior. Mas na comparação com o 1º trimestre de 2021, foram 73 mil desocupados a menos (-22,2%), no Estado.

Do total de 3 milhões e 950 mil pessoas em idade de trabalhar (de 14 anos ou mais) no Amazonas, foram estimadas 1.712 milhão de pessoas ocupadas, no 1º trimestre de 2022, frente a 1.671 milhão, estimadas no trimestre anterior, ou seja, 41 mil ocupados a mais (2,4%), variação não estatisticamente significativa. Já em relação ao primeiro trimestre de 2021, a população ocupada aumentou em 173 mil pessoas, (11,2% de alta).

Fonte: IBGE Amazonas
Foto: Divulgação

Deixe um comentário